A Escola

HISTÓRICO DO CAREQUINHA

 “A história de um sonho é também a história de um sonhador e de sua tenacidade, assim que, junto com a história de nossa Escola, vai muito da biografia da Professora Teresinha Campos Corrêa. – Com essas palavras, a Tia Teresinha começou o relato da história do Carequinha em 1999.

Em 1961, o ginásio Dom Amando decide fechar o primário a partir de 1962. A, então, Professora Teresinha Campos Corrêa perdia o seu emprego, mas achava que sua grande vocação  a transformaria na tão conhecida Tia Teresinha,tia de todos nós!

- Mas onde abrir uma escola primária? Foi decisiva a participação da professora Teresa Miléo, que, por ser a Diretora do Grupo Escolar Frei Ambrósio, ofereceu um cantinho na dita escola. Por diversas razões, isso não foi possível, mas Tereza Mileo não se deu por vencida e foram as duas conversar com a Professora Sofia Imbiriba, diretora da Escola de Comércio Dr. Rodrigues dos Santos, que ficava desocupada durante todo o dia. A diretora colocou muitos obstáculos, mas, no final daquele mesmo dia, Tereza Miléo telefonava à tia Teresinha e dava a grata notícia: ela poderia usar as dependências da Escola de Comércio Dr. Rodrigues dos Santos.

         Irmão Ernesto colaborou, pois cedeu 43 carteiras próprias para criança, que foram colocadas numa sala vazia e dividida com uma simples cortina: de um lado a professora Aenne Meschede e do outro a Professora Amália Queiróz; as crianças maiores passaram a usar salas da escola com as carteiras maiores. Aquela escola recebeu, logo de início, o nome que mantém até hoje: Escola Carequinha. O nome originou-se do Palhaço Carequinha e de uma  musiquinha do mesmo, feita nessa ocasião, que  rimava Teresinha com Carequinha !Era 1962!

A permanência no Rodrigues foi interrompida com a notícia que então soou desafiadora: o prédio ia ser fechado para reforma e urgia entregar as salas. Novamente a intrépida tia Teresinha foi buscar novo abrigo, (nem um ano durara a permanência) e encontrou no velho casarão onde funcionava a Pensão da Dona Odete na Rua Floriano Peixoto.

Naquele local, ela não ficou por muito tempo. A oferta do Antônio da Costa Pereira (Antônio BBC): “Terezinha compra a minha casa,” soava continuamente aos seus ouvidos. Mas comprar com que dinheiro? A casa ficava na Rui Barbosa. Foi difícil, mas ela comprou, e é aqui que funciona, até hoje a Escola Carequinha.

Outubro de 1982: o corpo, já alquebrado pelas dores, carregava uma alma que não esmorecia: vamos construir uma escola conforme eu imagino! A decisão estava tomada, e, com muitas dificuldades e com pouco dinheiro, mas com uma energia de dar inveja, o prédio cresceu e hoje, abriga a Escola Carequinha.

Ela mesma escolheu o dia 19 de março, festa de São José Operário, o dia da Escola Carequinha. É por isso que hoje, 19 de março, aqui estamos para comemorar tão significativa data para Santarém.